Archive for Julho 2014

O despertar de um velho. - Capítulo 09.


.

                           O despertar de um velho. - Capítulo 9.




Fiquei surpreso ao ouvir como tudo isso começou, não era apenas uma questão de eu ser um humano excepcional, mas era uma questão mais delicada do que eu havia pensado, entendi porque o velho Ferraz, não havia contado tudo desde o início, afinal, quem em sã consciência acreditaria em ser algum tipo de descendente de anjo?  Mas com sinceridade, o que mais me surpreendeu foi em saber que estamos perdendo. Sempre imaginei que o bem venceria o mal, que a luz iria se sobressair sob à escuridão, mas o que fazemos quando a realidade é tão diferente do imaginado? A verdade é que nós tentamos ser otimistas, se pararmos para pensar um pouco, nesse exato momento em que estou pensando isso, tem várias pessoas fazendo maldades pelo mundo, pensamentos de inveja, vingança, traição, rancor, assassinato, abusos e tantas outras coisas assolam a mente de muitos seres humanos e graças a isso, a escuridão cresce cada vez mais. É claro que não podemos generalizar, existem pessoas boas também, mas é mais fácil e rápido fazermos o errado do que o certo. Se estamos nessa situação à culpa é nossa, exclusivamente nossa, afinal, quantas vezes deixamos de pensar no bem do próximo para pensarmos em nosso próprio umbigo? Perdi as contas de quantas vezes fiz isso.

...

De acordo com Ferraz, os demônios nascem da maldade humana, quando mais maldades acontecem ao redor do mundo, mais demônios surgem, mais almas são corrompidas, e fica cada vez mais difícil manter o equilíbrio. O que acontece se perdemos? O apocalipse é claro, o fim da humanidade como à conhecemos.

...

Hoje nós vamos abandonar a cidade, aqui não é um lugar seguro. Vamos encontrar a Ordem dos caçadores, e eu vou ter que me unir a eles. A ordem existe desde que os arcanjos passaram a lutar ao nosso lado e vem resistindo até hoje. No passado existiam as rosas purpuras, a tríade vermelha, a cidade branca e muitas outras, todas lideradas por algum caçador mestre, mas infelizmente, todas caíram. Somente a ordem continua de pé. Também existem os solitários, caçadores que preferem agir sozinhos, por motivo próprios, alguns que decidiram sair da ordem ou porque foram expulsos por ela. Esses normalmente usam métodos pouco convencionais e até meio radicais. Na ordem vou conhecer cada um deles e outros iguais a mim, aprender a lutar e utilizar meus dons.

Saí do quarto e encontrei Ferraz no quartinho dos fundos, estava parado em frente a parede de fotos e linhas coloridas, parecia estar lembrando do passado.

- Estou pronto Ferraz – Disse, mas ele não se virou. – Ferraz, o que é tudo isso?
- Isso é toda a minha história, tudo o que decora essa parede é o motivo que estou aqui hoje rapaz. – Disse. – Eu não sou como você, não nasci como você, não tenho nenhum dom especial, mas estou aqui.
- O que aconteceu? – Perguntei. – O velho sentou na cadeira com os olhos cheios de lagrimas, olhei para a mesa e percebi que estava bebendo, percebi que o motivo da casa ser cheia de latas de cervejas jogadas pelos cantos, era porque ele bebia para tentar esquecer de alguma coisa.
- Rapaz, eu nunca acreditei em Deus. Achava tudo uma baboseira, em meu pequeno discernimento, essas histórias não passavam de um romance escrito por alguém, a minha ignorância custou a vida de todos os que eu amava. – Sua voz ficou embargada. – Zombei de quem não deveria e brinquei com quem não deveria também.

- Teve uma época que me envolvi com coisas erradas, comecei a ler aquilo que não deveria ser lido, quando percebi estava brincando de fazer magias negras, evocar espíritosamaldiçoar as pessoas e o resultado foi que libertei um demônio, uma vez liberto ele destruiu minha família, minha esposa, minhas filhas. – Ele parou um momento, e tirou da carteira uma foto de uma mulher com duas crianças. Ferraz começou a chorar, sinceramente, não sabia o que dizer, nem me atrevi a perguntar como elas morreram ou o que as matou, esperei calado.  

– Esse demônio as matou da forma mais violenta possível. Após mais uma noite de brincadeiras com magias e invocações, voltei para casa. Abri a porta da sala e estava tudo quebrado, da televisão saia um chiado horrível e passava imagens estáticas. De princípio, pensei que era um assalto, meu coração disparou ao pensar nas minhas filhas, peguei a primeira coisa que vi e que poderia servir como arma, um guarda-chuva longo e pontudo. Não me preocupei com cautela, gritei o nome da minha esposa e minhas filhas, um por um, não tive resposta, corri pelo corredor e subi a escada pulando os degraus, no topo escorreguei em alguma coisa e bati a cabeça no solo de madeira, olhei com atenção e tinha sangue por todo o lugar, no desespero abri a porta do quarto de minhas filhas e elas não estavam lá, também estava coberto de sangue por todos os lados, parede, teto camas, tanto sangue... Ouvi um barulho vindo do meu quarto e da minha esposa, não pensei duas vezes, levantei e corri cegamente arrebentando a porta com o ombro. O que vi lá dentro foi a pior imagem que alguém poderia ver, e a que vai me assombrar até o dia da minha morte. Os corpos das minhas filhas estavam destroçados logo na entrada, as partes estavam jogadas por todos os cantos, cai de joelhos em completo desespero, as peguei em meu colo e tentei reanima-las, minha consciência sabia que era em vão, mas meu coração não queria acreditar nisso. – Nesse momento Ferraz chorava muito, coloquei minha mão em seu ombro, não queria que ele continuasse se torturando dessa maneira, ele não merecia isso. Mas mesmo assim, ele continuou. 

– Ouvi uma risada, e alguém falou algo indecifrável. A silhueta de uma mulher apareceu na sombra, Maria? – Chamei o nome da minha esposa. – O que você fez?  Ela não respondeu, meus olhos estavam cheios de lagrimas e não conseguia ver direito por conta da vista embaçada, levantei e limpei o rosto, quando olhei novamente consegui ver algo que não tinha visto antes, o corpo da minha esposa estava coberto de sangue, estava sem seu braço esquerdo e sem sua cabeça, gritei horrorizado, mais acima, uma criatura pendurada no canto do teto e de ponta a cabeça, me olhava com orbitas vazias e um largo sorriso enegrecido, sua pele completamente escura, com vários espinhos saindo do corpo, longos membros e longas garras em seus pés e mãos, pareciam patas de aranha de tão enormes que eram, sua enorme língua jogada no canto de sua boca, ainda pingando o sangue da minha família. Ao me ver a criatura mordeu o ombro de minha esposa arrancando um pedaço de sua carne, após largou o seu corpo e me encarou. 
O medo me fez andar para trás, tropecei na perna de minha filha e caí igual um pedaço de merda, a criatura foi descendo pela parede, com o seu dorso e rosto virados para frente, não tirava os olhos de mim. Eu seria o próximo, tateei ao lado procurando o guarda-chuva que derrubei quando entrei, não tive muito tempo de toca-lo. A criatura voou em minha direção, e com um movimento de puro reflexo misturado com ódio, acertei seu rosto com o cabo, fazendo a criatura perder o equilíbrio, mas em poucos segundos já estava em pé e sorrindo para mim novamente, corri para fora quarto do e me lancei no corredor, a criatura arrebentou o resto da porta e se espatifou na parede, me perseguiu pela parede com como quem engatinhasse de costas, mesmo naquela posição impossível, não deixava de ser rápida ou me olhar. Desci a escadas e entrei na cozinha, o espaço mais amplo da casa, procurei uma enorme faca de caça que ficava guardada no armário, mal tive tempo de pegar a faca, quando percebi a criatura já estava em cima de mim. Levei uma porrada no peito que me fez voar metade do local, bati de costas no fogão, sentindo uma dor lancinante por todo o corpo. Olhei para baixo e percebi que estava coberto por sangue, as patas da criatura cortavam como uma espada afiada, só tive tempo de deixar-me cair para o lado antes que suas afiadas patas perfurassem o fogão, como faca quente na manteiga, percebi que não havia largado a faca, encravei aquele pedaço de metal de 30 centímetros no dorso direito daquela coisa, jorrou um sangue escuro, que cobriu todo o meu rosto, sem pensar, tirei e enfiei novamente na criatura, jorrando mais sangue, ela urrou de dor, enfiou uma das garras em meu ombro direito, levantou-me com tanta facilidade, e com a mesma me jogou contra a parede. A criatura se contorcia pela cozinha, tentando tirar a faca encravada em seu corpo, ao conseguir, jogou longe, percebi que de forma quase que instantânea suas feridas passaram a ser curadas.

- Quem é você? – Balbuciei.
eduxit me et vos hic. – Disse a criatura. – venio nam prandium!


Não havia entendido o que disse ou qual linga usou, mas sabia porque estava ali, era por minha causa. A criatura aproximou o rosto do meu, não tirava aquele sorriso malicioso da cara, pensei que era o meu fim, então fechei os olhos, queria que fosse rápido.

- Não vou matar agora. Vou fazer sofrer e quando estiver no poço, sua alma pegarei.


A criatura falou em meu idioma, fiquei perplexo. Nesse momento a criatura se afastou, e bem devagar aproximou-se do canto da cozinha, encostou em uma das sombras e da mesma maneira que apareceu sumiu. Fiquei encarando aquele lugar durante alguns minutos, aquilo devia ser um sonho, tinha que ser um sonho, eu queria que fosse, mas não era. Após alguns tempo, levantei e voltei para o quarto, dessa vez não consegui entrar, fiquei ajoelhado na porta, perplexo com a imagem. Não sei quanto tempo fiquei encarando o corpo das minhas meninas, de longe ouvi um som de sirene, algum vizinho assustado com o barulho e gritos resolveu chamar a polícia. Após algum tempo ouvi som de passos pela escada.


- Parado! Parado! – Gritavam. – Mãos para cima, senhor.


Ao me verem, ficaram completamente assustados com minha aparência, um dos policiais me empurrou para o lado e entrou no quarto, só ouvi o homem gritar aterrorizado e sons de alguém vomitando. O homem saiu do quarto, olhou para mim e me chamou de monstro, a última coisa que lembro foi a imagem da sola de uma bota acertando o meu rosto. Mas tarde acordei em uma cela imunda, onde todos me chamavam de assassino, tentei contar a verdade mas ninguém acreditou, os jornais de todo o país chamavam-me de “ O esfolador”, por causa da grande comoção pública para o meu caso, fui levado a júri e com menos de 1 mês fui a julgamento, onde massacraram todas as minhas defesas, fui declarado culpado, e o júri entendeu que eu era não psicologicamente saudável, fui condenado a cumprir pena em regime fechado em um hospital psiquiátrico de alta segurança.
                Sai algemado do tribunal com destino direto ao hospital psiquiátrico, no caminho as pessoas me xingavam de monstro, assassino, demônio. Alguns diziam que eu arderia no inferno pelo crime que cometi e outros gritavam pela pena de morte, passei de cabeça baixa pela multidão de gente que era contida por uma barreira policial para que não me linchassem ou me matasse ali mesmo, ninguém acreditava em mim, até que alguém me puxou pelo ombro, virei para a direção esperando ser agredido, mas para minha surpresa, uma mulher me segurava, ela vestia uma blusa preta, cabelos castanhos claros e tinha um rosto bonito, mas seu semblante era sofrido.

                
                - Mantenha sua cabeça erguida, nós acreditamos em você, ouviu bem? Nós acreditamos em você. – Disse a mulher, antes que eu fosse puxado bruscamente para o carro de transporte.

                
                Aquilo me pegou de surpresa, mas antes que eu entrasse no carro, ouvi ela gritar novamente.

                
                - Nós acreditamos em você. – O grito dela era suprimido por todos os outros que pediam minha condenação, falsos moralistas e justiceiros que só acreditam naquilo que esta aparentemente amostra, mas não se dão o trabalho de verificar o outro lado da moeda. Mas aquelas pessoas não estavam preocupadas com o que aquela mulher gritava, apenas com a falsa impressão que eles tinham de que estavam me julgando corretamente.
                Sempre odiei esse tipo de pessoa, esses que julgam alguém sem ao menos conhecer você. Pessoas que tem um “pré-conceito” sobre alguém, sem no minimo saber sua idade seu sobrenome, seu signo ou seu prato favorito. Pessoas que apenas te olham e acham que você é o pior tipo de pessoa existente no mundo, mas dessa vez, essas pessoas sabiam ao menos o meu sobrenome. Ferraz, o homem conhecido como “O esfolador”.
                A porta traseira do furgão se fechou, a única coisa que vi foi a multidão mais alvoraçada tentando derrubar a barricada e os pobres policiais gritando palavras de ordem para aquele mar de pessoas enfurecidas.


                ...


Os dois guardas que estavam me guiando ao sanatório não paravam de caçoar da minha cara, diziam que eu iria ficar lá até morrer, que fariam experiências terríveis comigo, que abririam o meu cérebro e o usariam para treinamento dos novos psiquiatras. Aquelas palavras não me importavam em nada, só pensava na minha família massacrada, na criatura que as matou e nas palavras daquela mulher. Nós acreditamos em você! Foi o que ela disse, mas nós quem?
                Minha cabeça era uma mistura de pensamentos e meu coração uma mistura de sentimentos, o mais forte deles era a dor da perda que era acompanhada pelo sentimento de vingança em pé de igualdade. Ouvi uma batida na lateral direita do carro, logo ouviu-se outra, um grito veio da cabine do motorista, mais uma nova batida, dessa vez do teto do veículo. Os guardas gritavam desesperados, perguntavam o que era isso, o que é isso. Tentei olhar pela portinhola, mas não conseguia manter o equilíbrio.
                
                - O que está acontecendo aí, me responde droga! – Gritei antes de cair no chão do veículo.
                - Cale sua boca porra. – Gritou um policial.

De repente, ouvi tiros, um tiro, dois tiros, três tiros, alguém estava descarregando o pente de uma pistola em alguma coisa que seguia o veículo, mais uma vez fiquei desesperado, seja o que fosse, os policiais estavam contra-atacando. Pega a escopeta, um deles gritou.
Um barulho alto como se fosse um trovão, soou dentro do veículo, mais tiros sequenciados vindos da cabine.

- É muito rápido, não consigo mirar. – Gritou um guarde.
                - Senta na janela e atira por cima do capô. – Gritou o motorista.

                Não conseguia acompanhar toda a ação, percebi que o guarda que havia projetado seu corpo para fora, estava atirando em todas as direções. O que é que fosse nosso perseguidor era rápido. De repente algo pesado caiu no teto do veículo, ouvi mais uma sequência de tiros e em seguida o grito do policial, percebi que esse começou a se debater dentro da cabine, o policial tentava pedir ajuda, mas seu grito de socorro parecia estar se afogando goela abaixo, o motorista em desespero tentou segurar as pernas do seu amigo, mas era tarde demais, em segundos o policial foi arrancando do interior do veículo igual a um boneco de pano, seu companheiro gritava igual um louco.

                - Se acalma cara, se acalma, você vai perder o controle do veículo e nós vamos morrer também.
                - Eles estão em todos os lados, nós vamos morrer, nós vamos morrer. – Gritava o guarda. – Em um momento de insanidade o homem começou a gargalhar como se assistisse a peça mais engraçada do mundo. Nesse momento já não queria saber o que estava acontecendo, o que estava nos perseguindo, em minha mente vinha somente uma vontade, sobreviver.

                Ouvi um barulho na traseira do veículo, olhei para trás e percebi que vinha da porta. Encostei minhas costas na parede que separava a cabine do motorista e o fundo, mais uma batida forte e outra e outra. A porta era puxada com violência, pela força não tinha como aguentar. Após mais alguns puxões, a porta for arrancada com dobradiça e tudo, durante alguns segundos fiquei encarando o asfalto que passava em alta velocidade, até que uma criatura negra de pelos ouriçados pulou no fundo do furgão. Caí de bunda, incrédulo com o que estava vendo, a criatura levantou a cabeça e consegui perceber toda a sua dimensão, um lobo totalmente negro, olhos vermelhos sangue, respiração pesada, pelos selvagens e oiriçados, dentes arreganhados e rosnando na minha direção, o animal ocupou todo o espaço do fundo do furgão, não tinha maneira alguma de escapar. A criatura rosnava em minha direção, baba pingava entre suas pressas empapando o chão.

                Levantei até a portinhola e gritei pelo policial, esse estava tão enlouquecido que sequer ouvia meus gritos, foi nesse instante que tudo mudou repentinamente, o motorista foi arrancado pela janela e lançado na escuridão, o veículo ficou sem controle, olhei para o volante sem poder fazer nada e vi o momento que o furgão voou pelo acostamento, no reflexo olhei para trás procurando no que pudesse me agarrar, o lobo já não estava no veículo, apenas a porta aberta. Em segundos o veículo caiu uma pequena ribanceira, capotando diversas vezes, tentei manter-me firme o máximo possível, mas algo completamente impossível para as minhas forças naquela situação, em algum momento bati a cabeça e vi tudo escurecer. 
                Não sei por quanto tempo fiquei apagado, acordei com uma dor de cabeça terrível, algo denso e quente escorria por meu rosto, sangue. Encostei na lateral do veículo tentando me acalmar, meu ombro direito estava deslocado, braço esquerdo quebrado com uma fratura exposta e eu ainda estava algemado. Levantei com dificuldade e sai do veículo, ao virar e olhar percebi que tive sorte em ter um ombro deslocado e apenas um braço quebrado, o furgão estava todo arrebentado devido à queda, em outras circunstâncias, não teria acreditado que alguém sobreviveria aquilo. Olhei em volta e não vi o lobo, segui o rastro de destruição até chegar a pista. Olhei para ambos os lados e não vi uma alma viva, nenhum sinal de casas por perto ou algo parecido, cambaleei a pista até um pouco depois do lugar do acidente, eu tinha que encontrar o motorista para recuperar a chave da algema, andei durante alguns metros até que vi o primeiro indicio. 
                Havia um baque de sangue, acredito que era o lugar onde o motorista caiu quando foi arrancado pela janela, olhei com mais atenção e vi um rastro de sangue, ou o infeliz sobreviveu a queda e saiu se arrastando ou foi arrastado até não seu onde, não podia pensar muito e eu precisava da chave. O Rastro se estendeu por volta de dez metros da poça, descendo o acostamento lateral da pista, com muita dificuldade desci, um pouco mais e encontrei o pobre infeliz. Ele estava todo estraçalhado, suas entranhas para fora, o intestino delgado espalhado ao seu redor, estava sem um dos braços e a perna direita só um cotoco até o joelho. Acho que ele lutou até o último instante, afastei esses pensamentos da mente e me aproximei do cadáver, ajoelhei ao seu lado e não pude evitar de sentir pena, o homem estava irreconhecível. Engoli a ânsia de vomito e comecei a procurar as chaves nos bolsos da calça, não encontrei nada. Se elas não estivessem com ele e sim com o outro policial? O desespero bateu por todo o meu corpo, não sabia a que distancia o outro estava e se estava no mesmo estado que esse ou pior, quase desistindo, olhei no bolso de sua camisa azul, para minha surpresa a encontrei. 
                Abri a algema com muita dificuldade, a primeira coisa que fiz fui tentar colocar meu ombro no lugar. Me aproximei da arvore onde estava o policial morto e respirei fundo, bati com meu ombro direito na arvore, a dor foi insuportável, mas eu precisava recolocar o ombro, não consegui na primeira vez, respirei fundo e tentei novamente e nada, a dor era tanta que pensei que desmaiaria novamente, tentei pela terceira vez, dessa vez respirei fundo, contei a até três e investi com força mais uma vez contra a arvore, escutei um “trec” e senti que o tinha encaixado novamente, cai no chão sentindo muita dor. Após alguns segundos, voltei ao guarda, precisava fazer uma tipoia para meu braço quebrado, não havia nada com o guarda que eu pudesse usar , as roupas estavam todas rasgadas e eu não conseguiria tirar minha camisa para fazer uma tipoia com ela, meu braço direito estava inchado de tal maneira que não conseguiria ergue-lo acima da cabeça e o esquerdo quebrado, seria impossível. Olhei para as botas do homem e vi as únicas coisas que poderiam me ajudar nesse momento, com apenas um braço, consegui tirar os dois cadarços, os uni usando minha boca como auxilio, fiz uma ponta tipo laço, arranquei um pedaço da manga do policial e passei pelo meu punho e osso fraturado, joguei a ponta por cima do pescoço e com dificuldade a peguei e por fim, amarrei tomando a precaução de não deixar apertado e prendesse a minha circulação.
                Antes de sair, olhei para o homem e não pude deixar de pensar na sua família que ficaria desamparada e rezei por eles. Percebi que havia um cabo saindo de sua bota direita e ao puxa-lo encontrei um revólver calibre 22, era pesado, percebi que devia estar carregado, não entendia nada de armas, mas já havia visto várias desse tipo em filmes, para mim era só engatilhar e atirar, simples assim. Coloquei por trás na barra da calça e subi a colina, tinha que sair dali o mais rápido possível, não poderia esperar outros policiais ou que os lobos voltassem, essa também era minha única oportunidade de me vingar.
                Ao chegar na pista ouvi o som de um carro, meu primeiro impulso foi pedir ajuda, mas logo minha razão voltou a prevalecer, quem ajudaria um cara ferido com roupa de presidiário? Me abaixei e deixei o carro passar, com sorte quem estivesse dirigindo não veria o sangue e passaria direto até o local do acidente, seria tempo suficiente de ir na direção contraria. O Carro passou e não me viu, esperei mais alguns minutos e não o vi voltar e nenhum outro passar, levantei e fui até metade da pista, aconteceu como eu havia pensado, quem estava dirigindo havia percebido o lugar do acidente e parou para tentar ajudar, a porta do veículo estava aberta e eu não conseguia ver se ele estava dentro ou não, presumi que não. Tentei correr pelo acostamento para o mais longe possível, mas no meu atual estado era quase impossível. Após me distanciar uns quinze metros do corpo e uns trinta ou quarenta metros do furgão, ouvi um uivo, um uivo não, eram vários uivos. Não tinha como saber de qual lado era oriundo aqueles sons, fiz a única coisa logica que me veio à mente, fiquei parado no meio da pista, seja o que fosse, conseguiria ver de ambos os lados antes de me atacarem. Um grito feminino cortou o ar, após alguns segundos ouvi uma sequência de tiros, vinham da direção do carro, além da pessoa estar armada, também era uma mulher. O clima ficou pesado, não ouvi mais nada nos minutos seguintes, armada ou não, provavelmente estava morta. Antes que eu pudesse pensar em ir ajudar ou correr para me salvar, senti um rosnado vindo por trás de mim, me virei e vi um imenso lobo, era negro e olhos vermelhos, a criatura era imensa, bem maior do que a que eu tinha visto antes do acidente, na verdade, esse praticamente tinha o tamanho do próprio furgão. O lobo negro uivou, em seguida vários outros uivos soaram como resposta, em poucos segundos uma alcateia saiu por todos os lados, eu estava cercado.
                O lobo maior, começou a andar em minha direção, como se fosse automático, os outros começaram a segui-lo, a única coisa que podia fazer era andar para trás com todo o cuidado para não fazer nenhum tipo de movimento brusco, esse com certeza era o alfa do grupo, pude deduzir isso não por conta do seu tamanho que com toda a certeza era o maior, mas pelo seu comportamento. O alfa, parou de repente e olhou para trás do seu grupo, com um leve rosnar e um curto latido, um lobo menor pareceu responder o chamado, esse era pequeno e menor que os outros, um pouco mais magro também, percebi que era o ômega. 
                Ele era menor, mas não menos perigoso do que os outros, talvez fosse o mais assustador depois do líder, o ômega rosnou em minha direção e olhou para o alfa, esse deu outro latido e fez com que o ômega avançasse em minha direção, poucos metros nos separavam e mesmo que tentasse não conseguiria correr, minhas pernas estavam paralisadas. lembrei-me da arma, puxei da cintura e mirei na criatura, puxei o gatilho e nada, não havia engatilhado a bala e em uma rápida segunda tentativa, engatilhei e atirei, o coice da arma não foi grande, mas no meu estado atual até um sopro me derrubaria, fui ao chão. Uivos passaram a ecoar o ar, olhei o lobo e percebi que eu havia acertado o seu olho esquerdo, a criatura chiava, se debatia e fazia sons que não conseguiria descrever, atirei mais duas vezes mas a criatura praticamente desviou dos tiros, quando ela me encarou, percebi ódio em seu olhar. Eu estava perdido, a criatura voou em minha direção, suas presas amostra, eu iria morrer ali, em um ato de piedade, medo ou talvez covardia, já não sei dizer, engatilhei a arma e encostei na têmpora da minha cabeça. Mais antes de puxar o gatilho, ouvi mais três tiros, o primeiro acertou em cheio o dorso do lobo e ele conseguiu se esquivar dos outros dois, a criatura tombou de lado e começou a rolar no chão como se tentasse apagar um fogo que possuísse o seu corpo. Uma mão me segurou pelo ombro e me fez levantar.
                
                - Levanta agora. – Gritou uma mulher.
               
Eu estava tão surpreso com tudo que não havia raciocinado direito, uma mulher tinha acabado de salvar a minha vida. Olhei para trás e percebi que seu carro estava parado a poucos metros, fiquei com tanto medo que não percebi sua aproximação, havia uma possibilidade de sobreviver, corri em direção ao carro com a mulher em seguida. O lobo alfa não iria nos deixar escapar, em segundos ele pulo por cima do ômega que ainda estava caído e correu em nossa direção, ela se virou e deu mais dois tiros, não acertou o lobo, mas esse perdeu velocidade e compasso ao se esquivar dos tiros, tempo suficiente para entrarmos nos carro.
                Me joguei para dentro do carro, pulando direto o banco do motorista para o do passageiro, a moça entrou logo em seguida, batendo a porta com força. Ela tentou ligar o carro, mas o motor não pegou de imediato, o lobo alfa investiu com toda a força na lateral, por um segundo o carro levantou e ficou suspenso em apenas duas rodas, pensei que o carro ia virar, mas nesse instante o motor pegou e a mulher acelerou o veículo, fazendo com recuperasse o equilíbrio. A mulher pisou fundo no acelerador, em instantes o carro passou de zero a sessenta, a mulher trocava as marchas com tanta facilidade que mal dava para sentir o momento que o carro pedia para troca. Olhei pelo retrovisor o lobo estava ao nosso encalço, não só ele, mas toda alcateia, imaginei como iriamos fugir, eles eram rápidos de mais. O lobo estava a poucos centímetros da traseira do veículo, mas em um momento magnifico de inteligência, a mulher puxou o freio de mão, nessa distancia o lobo não tinha como desviar. O baque foi imenso, o lobo voou por cima do carro e caiu a uns dez metros de distância. Mais uma vez a mulher acelerou, antes que o lobo pudesse levantar ela bateu com a frente do veículo na enorme cabeça do lobo alfa, ouvi com clareza o som de ossos e carne se rompendo, a mulher mais uma vez acelerou e seguiu em frente, olhei para trás e vi o lobo caído ao chão, os outros se aproximaram e começaram a cheirar o seu líder. Antes de os perder de vista, consegui identificar o ômega chegando perto do seu líder tombado e em seguida uivando, todos uivaram como resposta. Mesmo tendo escapado, sabia que não iria terminar assim.

                Virei para a mulher e finalmente prestei atenção em seu rosto, era a mesma que vi quando sai do tribunal, a mesma que disse que acreditava em mim e pela segunda vez me puxou pelo ombro

                - Quem é você? – Perguntei.
                - Sou a pessoa que acabou de salvar sua vida. – Disse sem ao menos olhar a minha cara.
                - Obrigado por isso. – disse amargamente. – Mas o que eu quero saber é quem é você... qual seu nome?
                - Rosangela. – Ela respondeu.

                ...

                Não conseguia acreditar no que Ferraz estava me contando, esse homem que salvou minha vida era mais misterioso do que eu imaginei, será que todos passaram por algum tipo de tragédia para chegar aqui?

                
                - Ferraz, eu sinto muito por isso, mas eu nunca fiquei sabendo dessa história.  Como tudo isso não saiu no jornal?

                
                Ferraz deu uma risada irônica.
                
                - Não teria como você saber disse garoto. Eu era apenas alguns anos mais velho do que você quando tudo isso aconteceu.
                - Isso ocorreu a quanto tempo? – Perguntei. – Nunca vi nada parecido na internet ou fóruns.
                - Faz mais ou menos quarenta anos, não existia internet no meu tempo, celulares, fóruns ou qualquer outra forma para se propagar ou de manter a longo prazo. – Disse. – Provável que alguns espalharam para outros e esses por diante, mas com os anos logo foi esquecido. – Disse o velho. – Além do mais, as autoridades abafaram o caso, quem acreditaria que eu fugi algemado do furgão policial, deixando-o completamente destruído, com marcas de mordidas e enormes arranhões por todo o veículo, deixando também um policial desaparecido e outro completamente devorado na estrada, no mínimo eles teriam que admitir a verdade ou dizer a todos que eu havia me transformado em um animal e matado os guardas.

                - Faz sentido. – Respondi. – Essa mulher, Rosangela? Ela ainda está viva?
                - Sim, esta sim. – Respondeu. – Ela me levou para a ordem, me treinou como podia e graças a ela estou aqui hoje, mas isso é assunto para outra conversa e não temos mais tempo a perder.

                Ferraz levantou, olhou em volta e saiu do quarto.

                - Vamos garoto, a estrada e longa e temos pouco tempo. – Disse em um tom melancólico.

               
                 Quinze minutos depois, estávamos fora da casa. Ferraz se aproximou como quem fosse se despedir, abriu uma garrafa de Whisky e tomou dois ou três goles. Tirou um lenço fino do bolso da blusa e limpou a boca, após molhou o lenço com a bebida e fechou a garrafa com alguma coisa que não consegui identificar, acendeu o pano e jogou. Em pouco tempo o fogo se alastrou na frente da casa, era um festival de chamas. Ferraz olhou mais algum tempo e entrou no carro.


                - Não podemos deixar nada para trás, nada. – Disse.

A queda dos Anjos.


.

                                                   Capitulo 8 - A queda dos Anjos.



Após minha despedida silenciosa, voltei para a cabana com Ferraz.  Meu coração estava destruído por dentro, quase matei minha família por causa de minha teimosia, não iria deixar isso ocorrer novamente. A noite foi longa, não consegui dormir de forma alguma. As lembranças passavam em minha mente como as de um retroprojetor estampando uma parede, fiquei imerso naquele filme e não percebi o velho senhor entrar no meu emprestado quarto. Ferraz sentou-se na cadeira próxima a cabeceira e ficou me olhando, o cansaço estampado em sua cara era a prova que ele não conseguiu dormir também.

                
                - Me desculpe. – Balbuciei sem ao menos olhar para ele. 
                - Não se culpe garoto. Você praticamente caiu de paraquedas nessa situação, qualquer jovem no seu lugar teria feito o mesmo. – Disse Ferraz.
                - Não é sobre isso, mas eu não acreditei em você. Pensei que você era um louco ou algo do tipo. – Disse.
                - E também pensou que eu tinha sequestrado você? – Falou ironicamente. – Você é hilário meu rapaz, até parece que sequestraria alguém pobre.

                
                Não aguentei soltar uma risada, nunca imaginei que aquele senhor tivesse senso de humor. Na verdade fiquei surpreso, não ouvia uma risada minha desde que tudo aconteceu, me senti um pouco melhor.

              
                  - Ferraz... você acha que posso sobreviver? – Perguntei com dificuldade.
                - Garoto, essa pergunta e difícil ser respondida. Não existe garantias de que vamos sobreviver. – Falou seriamente. – A verdade é que estamos perdendo essa guerra. Nossos números são mínimos comparados com a quantidade de demônios existentes no mundo.
                - Guerra? – Perguntei.
                - Sim, guerra. E a cada dia nossas baixas são maiores – Disse. – Você não é o primeiro a passar por isso e também não será o último, a verdade é que estamos em guerra há séculos. Desde quando os humanos ainda estavam engatinhando sobre a terra, na época dos anjos. 

                - Quando Deus criou os primeiros homens, Adão e Eva, passou a ama-los de forma incondicional e os escolheram como a sua melhor criação. Os anjos foram escolhidos para cuidarem dos dois e assim ajoelharem para eles, alguns aceitaram de todo o coração mais outros não quiseram aceitar tal devoção, não queriam ter que ajoelhar para mortais os quais consideravam impuros e inferiores a sua raça. Sem entenderem porque o senhor amava tanto os seres criados de barro, esses passaram a nutrir pensamentos negativos contra os humanos. Um dos um anjos fez que Eva comece o fruto proibido do paraíso e assim a fez ganhar consciência do seu verdadeiro “eu”, mais tarde está, fez com que seu esposo Adão, consumisse o mesmo fruto e ambos deixaram de ser seres puros aos olhos do Pai. Deus completamente desapontado com o seu segundo erro, os baniu do paraíso para sempre. Anos depois, os dois tiverem filhos vários filhos que iriam povoar a terra com seus descendentes, Caim e Abel era um deles. Abel sentia-se rejeitado por Deus e inveja o seu irmão, acreditando que este era o mais querido pelo Pai, em um ato de pura covardia, enganou e apunhalou seu irmão, matando-o. E assim, tornou-se o primeiro assassino de toda humanidade. 
                
                De acordo com várias religiões, existiam oito arcanjos com missão de proteger Deus e seu trono, Sendo eles: Miguel o Arcanjo Guerreiro de Deus, Rafael o Arcanjo curador e exorcista de Deus, Gabriel o Arcanjo e mensageiro de Deus ou o que toca a trombeta, Uriel o Arcanjo e mensageiro da Paz, Samuel o Arcanjo do Amor, Jofiel o Arcanjo da Iluminação, Ezequiel o Arcanjo portador do fogo e o Arcanjo Lúcifer, A estrela da manhã, este último sendo o segundo mais forte dos oito, o mais bonito e parecido com o criador, e líder da orquestra de Deus.

- Os homens, ao contrário dos anjos, possuíam a liberdade de escolher o seu destino e um grande amor por parte do criador, mas o livre-arbítrio deixava uma grande brecha, eram facilmente corruptíveis, facilmente se entregavam a cobiça, avareza, inveja ou qualquer outro pecado capital que satisfizesse os seus desejos carnais ou facilitasse suas conquistas, por isso, alguns anjos os desprezavam e outros os invejavam. Nessa intercorrência, um grupo que eram considerados os vigias da terra, se apaixonaram pela raça humana, mas especificamente pelas mulheres humanas e as quiseram para si
.
- De acordo com relatos escritos em Latim, um grupo de aproximadamente duzentos anjos que incluía Satã e Azazel, abandonaram o Céu e se casaram com humanas, nascendo assim, os Nefilins. Nem anjos, nem humanos, uma raça mestiça e muito poderosa, o que fez Deus abominar essa nova que passou a viver entre os humanos e os seres celestes que fugiram do céu. Essa nova raça não era humana e não eram celestiais, mas tinham mais poder do que qualquer humano poderia ter e muito mais inteligência... semidivinos, seres que seriam facilmente idolatráveis.

- Satã e Lúcifer não são a mesma pessoa? – Perguntei.
- Não Rapaz, isso foi um grande erro de interpretação e também por falta de informações que comprovem que eram seres distintos, algumas pessoas acabaram acreditando que são a mesma pessoa, mas Lúcifer era um arcanjo e Satã apenas um anjo incumbido de vigiar a humanidade. O primeiro foi expulso do Céu, o segundo abandonou o Céu por vontade própria. Lúcifer conhecido como estrela da manhã e Satã conhecido por serpente do éden.
- Você só pode está de brincadeira, achando que vou acreditar nesse papo ridículo, que provas você tem?
- Provas? Rapaz, as escrituras são para serem interpretadas, cada um vê aquilo que quer ver. Me diz uma passagem que afirme isso? Não existe algo assim, o que você sabe a respeito pelo homem, alterado pelos grandes poderes da igreja naquela época, nem todos os homens que dizem que são santos, realmente são, você deveria saber disso. Além disso, os humanos não estão prontos para saber a verdade. Apenas alguns como você e eu.

- Deus vendo que sua criação estava fadada ao fracasso por conta de tantos pecados e contaminada por uma nova raça que abominava a existência, resolveu limpar o mundo de tudo isso. Mas por causa de um homem e sua família, Deus reconsiderou tal extermínio, esse homem o fez acreditar mais uma vez na humanidade e prometendo também não mais interferir na vida humana. Após o diluvio, a humanidade se reergueu, os anjos que abandonaram a terra não tinham mais para onde voltar, nem ao céu ou a terra e com o tempo, após um tempo vagando, seus espíritos viraram demônios, junto com as almas de seus filhos. 
Os humanos se reergueram com o tempo e seguiram novos caminhos, alguns justos e outros se perderam novamente. Deus sabia que os humanos eram pecadores, e viu que suas almas precisavam de salvação, e como não podia fazer nada direta ou indiretamente, criou e envio seu único filho, Cristo, para que morresse em terra e livrasse os humanos de todos os pecados, ato conhecido como a expiação.
Lúcifer, até então um dos mais poderosos anjos de Deus, começou a questionar as decisões do seu criador e o amor incondicional pelos humanos, os seres imperfeitos, feitos de barro, corruptos, mentirosos, assassinos e principalmente inferiores a sua raça. Sem entender o amor pela raça humana, e acreditando que os anjos deveriam ser considerados a melhor criação divina, porque eram simplesmente uma raça perfeita. Nesse momento, Lúcifer sentiu algo novo para os anjos, sentiu raiva, sentiu ódio da escolha de seu pai. Então o Arcanjo que um dia foi conhecido como estrela da manhã, aquele quera era o mais semelhante ao pai, usou sua incrível habilidade com as palavras e conseguiu convencer 1/3 dos anjos a ficarem ao seu lado e questionarem também as decisões do seu senhor e assim tentaram usurpar o trono celeste.
Deus percebeu a maldade no coração de Lúcifer, e assim pediu para Miguel o Guerreiro de Deus, seu anjo mais devoto, que enfrentasse seu irmão. Uma grande e sangrenta batalha aconteceu no reino dos céus, uma batalha divisora de aguas, entre os dois maiores e mais poderosos arcanjos, muitos morreram na batalha, mas por fim, Miguel venceu. Deus, sabia que seu filho estava corrompido e sem salvação. Como castigo o lançou no fundo do mais longo abismo do inferno como castigo, assim, Deus passou a reinar unanimemente nos Céus e Lúcifer que passou a ser conhecido como Satanás, virou o senhor do inferno, passando assim a dividir as almas humanas entre os reinos.
                - Lúcifer não satisfeito com o resultado e ainda almejando tomar o trono de seu pai, fez um novo plano. Sabia que os homens eram facilmente corruptíveis, até mesmo aquele que era considerado o mais honesto, poderia ser corrompido com o incentivo certo. Como Lúcifer não podia andar livremente entre os dois mundos, fez pactos com seres humanos que procuravam poder, em troca deveriam abrir portais entre os mundos e assim, poderiam atravessar com seu exercito. Lúcifer e seus subordinados, passaram a tentar os homens de coração fraco. 
                No mundo dos demônios, existe uma hierarquia, quanto mais almas humanas tiverem ao seu controle, mais forte esse demônio será e assim subiram no exército do inferno.
- Com esses acordos, homens passaram a possuir conhecimentos até então desconhecidos, com o uso de magia descobriram que em algum lugar do inferno, para ser mais exato o purgatório, existiam seres malignos mais antigos do os anjos, criados e banidos pelo próprio Deus. Os leviatãs, seres de pura maldade, os primeiros guardiões. Lúcifer, dotado de grande sabedoria, influenciou os homens a abrirem o portão. Mas os leviatãs não conseguiram atravessar, em seu lugar conseguiram criar outra criatura, a que seria conhecida posteriormente como a mãe dos Demônios, Equidna. Uma criatura terrível, com habilidade de transformar todos que ela quiser em demônios, além de criar novos. Com ela, surgiu a magia negra, com seu surgimento monstro das trevas passaram a andar livremente na terra e assim Lúcifer expandiu seu poder.
                - Os sete arcanjos restantes foram enviados a terra com a missão de proteger os humanos e aniquilarem as forças crescentes de seu antigo companheiro. Ao chegarem se depararam com um imenso e crescente número de demônios, nefilins e seus antigos irmãos caídos. Todos estavam mudados, o tempo no inferno transformou a fisionomia dos lindos anjos, passaram a ser criaturas horrendas, alguns com asas de morcegos, chifres, pés de cabras, sinais claros de seus corações corrompidos pelas trevas. Eram muitos, para cada arcanjo, existiam milhares de demônios, vendo que somente suas forças não seriam suficientes para a vitória, se aliaram a alguns humanos que já os combatiam. Ao unirem suas forças, ambos dividiram seus conhecimentos, assim surgiu diversos caçadores pelo mundo levando o nome de Deus aos campos de batalha, os Templários é uma dessas ordens.
- Em um certo ponto da história, Deus chamou seus arcanjos e os ordenou que passassem a viver na terra como meio humanos e meio arcanjos, se unindo a famílias já existentes.

- Certo, mais o que isso tem a ver comigo? – Questionei. - O que eu tenho a ver com histórias de anjos?

- Tudo ao seu tempo. – Continuou. – Quando os Arcanjos se uniram com certas famílias e assumiram seus brasões, cada casa se tornou especialista em um serviço.  Ao total São sete casas.

Família Kampfer – Descendentes do Arcanjo Miguel.
“  Por ti levantarei minha espada e só descansarei quando todos os seus inimigos estiverem ajoelhados de ante de ti. “
Família Meifster – Descendentes Arcanjo Rafael.
“ Venha a mim todos que estão feridos ou cansados, eu os irei curar suas dores em nome do senhor. “
Família Snetter – Descendentes Arcanjo Gabriel.
“ O divino é a minha força e com ela trarei a paz. “
Família Berthis – Descendentes Arcanjo Uriel.
“ Somente à paz concede a verdadeira cura. “
Família Helfestein – Descendentes Arcanjo Samuel.
“ Sua consciência só será elevada por meio da Adoração a Deus. “
Família Fordebis – Descendentes Arcanjo Jofiel.
“ Eu os ensinarei que a perseverança anima a chama de Cristo. “
Família Paipolon - Descendentes Arcanjo Ezequiel.
“ Não tema o fogo de cor violeta, este não queima. Mas limpa os que procuram a purificação.  “

- Os anjos sabiam que seus números eram pequenos dado a quantidade de demônios ao redor do mundo, havia a necessidade da procriação, e assim foi feito. Porém, os seus descendentes foram caçados cruelmente, os demônios não diferenciavam crianças de idosos, todos eram alvos a serem eliminados. Não existia lugar seguro para nenhum dos que carregassem o nome ou escudo de uma dessas famílias. Foi necessária uma nova estratégia, esses passaram a adotar novos nomes, e se misturaram com novas famílias e com isso as ramificações se espalharam através do mundo. Após séculos, saber quem era quem se tornou impossível e até mesmo os descendentes esqueceram quem foram seus antepassados ou quem eles realmente eram, os dons passaram a pular gerações, nascendo um para cada família ou as vezes nenhum. E isso responde quem é você e porque estão atrás de você.

- Eu tenho algumas perguntas para fazer, nem tudo ficou muito claro para mim. – Disse pensativo, continuei. – Para que cada família crescesse, foi necessário que os arcanjos procriassem com humanas, certo?
- Sim. – Respondeu Ferraz.
- Mas sendo assim, seus descendentes também não são nefilins?
- Entendi sua pergunta, sim. Todo cruzamento de um humano com um anjo, o filho de cruzamento será um nefilim. – Disse. – Mas você tem que entender uma o contexto. Deus estava perdendo, suas tropas continham apenas homens comuns e seus anjos, enquanto o exército de Lúcifer, tinha demônios, nefilins, anjos caídos e outras divindades, a única maneira de igualar o poder era usando fogo contra fogo. Por isso ordenou que seus Arcanjos vivessem em terra.
- Eu sou um nefilim?
- Sim e não. – Disse. – Você é um descendente dos descentes deles, você é mais humano do que qualquer coisa, mas hoje nosso exército e feito de pessoas como você, pode ser dizer que você faz é um mestiço da raça mestiça, o cruzamento de humanos e nefilins.
- Existem muitos outros?
- Sim, e nós temos que encontra-los. Você tem que se apresentar a última ordem.
- Ultima ordem? – Perguntei.
- Sim, a única ordem que conseguiu resistir e nos partiremos amanhã.

...






Obs.: Esse capítulo foi baseado em algumas pesquisas que fiz pela internet e leitura de varias passagens bíblicas, mas principalmente ao blog:  http://ordemdesiles.blogspot.com.br o qual dedico a expiração para esse capítulo.